saúde Archive

Bahia terá aumento de profissionais do Mais Médicos

Iniciado em agosto de 2013, o Programa Mais Médicos tem apresentado resultados positivos na Bahia. Confira mais detalhes do programa.

O edital da nova fase do Programa Mais Médicos foi apresentado a prefeitos e secretários de saúde dos 120 municípios baianos elegíveis para esta etapa do projeto, nesta quarta-feira (21), no Instituto Anísio Teixeira (IAT).

O representante do Ministério da Saúde (MS), Jerzey Timóteo Ribeiro dos Santos, apresentou o cronograma do edital que consiste na inscrição de médicos brasileiros, brasileiros graduados no exterior e estrangeiros, além dos prazos de adesão que os municípios devem obedecer. O cronograma completo está disponibilizado no site www.maismedicos.gov.br.

Jerzey destacou que, além da expansão da população atendida, o projeto visa a ampliação das ofertas de vagas de graduação e também de residência, com o objetivo de fortalecer o sistema da atenção básica com a educação continuada do profissional. Para isso, até 2019, cerca de 90% dos médicos deverão fazer residência em Medicina e Comunidade.

Presente ao evento, o secretário da Saúde do Estado, Fábio Vilas-Boas, ressaltou a importância do projeto que permitiu capilarizar a saúde para os municípios mais distantes e acrescentou que vai avançar “neste programa e em outros que atendam às necessidades da população”.

A secretária de Saúde de Santo Amaro, Andréa Rocha, onde atua uma profissional do Mais Médicos, explica que por conta da avaliação positiva do Programa no município, que é elegível para esta fase, a idéia é solicitar mais dois médicos para atuar na cidade. “Antes não conseguíamos fixar um profissional na unidade básica de saúde onde a médica trabalha. Essa realidade mudou e percebemos uma melhora nas condições de saúde da comunidade”, afirmou Andréa Rocha.

Programa Mais Médicos
Iniciado em agosto de 2013, o Programa Mais Médicos tem apresentado resultados positivos na Bahia. A cobertura da Atenção Básica, que era de 63,9% em outubro de 2013, atingiu a marca de 70,6% em dezembro de 2014. As equipes de saúde da família, que em outubro de 2013, eram 2899 chegaram a 3223 em setembro de 2014. Ao todo, 1320 médicos estão atuando no estado

Com informações da Sesab

Ampliação do acesso a serviços de saúde é destaque dos últimos oito anos

O investimento em saúde também ficou acima dos 12% do tesouro estadual, conforme determina a legislação. Leia mais sobre as ações.

saude

A ampliação do acesso aos serviços de saúde, a expansão da rede, e a descentralização dos serviços, com ampliação do atendimento no interior baiano, têm sido destaque nos últimos oito anos na Bahia. O investimento em saúde também ficou acima dos 12% do tesouro estadual, conforme determina a legislação.

Contribuíram para a ampliação do acesso da população ao atendimento integral a abertura de cinco novos grandes hospitais; o aumento do número de leitos – somente os de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) passaram de 319, em 2006, para 976, em 2014; a expansão do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu 192), que este ano atingiu a marca de mais de 80% da população baiana coberta; e a Estratégia de Saúde da Família, que teve a cobertura ampliada de 51,15%, em 2006, para 69,38%, em 2014.

Programas criados na atual gestão serviram de modelo para outros estados e para o governo federal, como o Programa de Internação Domiciliar, que atualmente atende 1.330 pacientes em suas residências, e o ‘Saúde em Movimento’, que realizou cerca de 150 mil cirurgias de catarata em 81 etapas.

Foram criados também o Programa Estadual Rastreamento do Câncer de Mama, possibilitando a realização de 227 mil mamografias, com 136 mulheres de diversas regiões da Bahia encaminhadas para tratamento integral de câncer de mama; o ‘Aqui a Fila Anda’, iniciativa do Governo do Estado para realização de cirurgias eletivas, como de hérnia e amídalas, que atingiu a marca de 11 mil procedimentos; e o mais recentemente criado, o Projeto Estadual de Apoio ao Planejamento Familiar, com o tema ‘Vasectomia – a escolha é sua’, que realizou 331 cirurgias em cinco etapas.

Serviços de saúde
Para a ampliação do acesso aos serviços da área, foram fortalecidas a rede de laboratórios de saúde pública, que já possui 12 laboratórios municipais de Referência Regional, e a rede de atenção psicossocial, que dispõe de 210 unidades, a exemplo do Centro de Atenção Psicossocial Gregório de Matos, também destinado à formação de profissionais, em Salvador.

Ainda para o tratamento da pessoa com transtorno metal, residentes em hospitais psiquiátricos passaram a morar em residências terapêuticas. O processo de desinstitucionalização dos residentes é resultado do esforço dos profissionais de diferentes áreas. A indução da abertura de Centros de Parto Normal é outra prioridade da gestão.

Houve ainda grande investimento na área de imunização, com a inclusão de todas as vacinas recomendadas pela Organização Mundial de Saúde (OMS) no calendário vacinal. Somente para aquisição de vacinas contra meningite, foram investidos cerca de R$ 39 milhões, contribuindo para a diminuição da taxa de incidência da doença no estado, que chegou a 22,1 por mil habitantes e atualmente está em 6,7 por mil pessoas.

Na área da assistência farmacêutica destacam-se a reabertura e modernização da Bahiafarma, reinserindo o estado no cenário nacional de produção de medicamentos, a implantação do programa ‘Medicamento em Casa (MedCasa)’, que entrega medicamentos na residência de 220 mil pessoas, e da Farmácia da Bahia.

A área de transplante também teve grandes avanços. Em 2006, a captação de órgãos era feita apenas em Salvador e Itabuna. Atualmente o serviço chega a 14 cidades. Os tipos de transplantes aumentaram na Bahia – em 2006, eram feitos apenas de córnea, fígado e rim, e agora, além dos três, são realizados transplantes de esclera, medula, osso, pulmão e coração.

Investimentos
Em 2014, foi aprovado o Projeto de Fortalecimento do Sistema Único de Saúde (ProSUS) na Região Metropolitana de Salvador (RMS). O projeto autoriza a aquisição de créditos externos para o programa, no valor de US$ 200 milhões, junto ao Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). O objetivo é fortalecer o SUS na Bahia, priorizando a RMS, bem como o planejamento e a gestão do setor público.

Outros investimentos para a ampliação da rede estão em andamento, como o Hospital Geral do Estado (HGE 2), o Novo Couto Maia, o Hospital Regional da Chapada, em Seabra, a completa reforma do Hospital São Jorge, a ampliação do Hospital Prado Valadares, em Jequié, e o Hospital Regional da Costa do Cacau, em fase de projeto.

Participação popular
A participação popular na gestão também foi fortalecida. Houve conferências estaduais e municipais de saúde, e o Conselho Estadual de Saúde, pela primeira vez, está sendo presidido por um representante do seguimento dos usuários. A rede de Ouvidoria do estado foi ampliada, com a finalidade de se comunicar melhor, levando mais informações à população por meio de diversos canais, como o portal Sesab, que teve nos últimos 12 meses cerca de 14 milhões de acessos e mais de 2,6 milhões de novos acessos. O trabalho sendo desenvolvido em redes sociais, prioritariamente no Facebook e Twitter.

Valorização do trabalhador
As ações de gestão do trabalho permearam a administração nesses oito anos. Houve a implantação da mesa de negociação do SUS Bahia, do Plano de Carreira, Cargos e Vencimentos, a ampliação do número de profissionais e da Política Estadual de Gestão do Trabalho e Educação na Saúde. A educação na saúde, com programas de estágio, de residência e formação técnica, vem contribuindo para a qualificação dos trabalhadores do SUS.

Com informações da Secom

Vacinação contra pólio e sarampo segue até esta sexta (28)

Saiba quais as recomendações, as idades, os locais e os procedimentos para que as crianças sejam vacinadas contra as doenças.

Meta do governo é imunizar 12,7 milhões de crianças contra a pólio e 10,6 milhões contra o sarampo | Foto: Rafael Martins/GOVBA

Meta do governo é imunizar 12,7 milhões de crianças contra a pólio e 10,6 milhões contra o sarampo | Foto: Rafael Martins/GOVBA

Dados do Ministério da Saúde mostram que, até o momento, 6,4 milhões de crianças receberam a dose contra a pólio, o que representa 50,4% da meta estabelecida. No caso do sarampo, 5,1 milhões de crianças foram vacinadas – cerca de 48,1% do público-alvo.

A meta do governo é imunizar 12,7 milhões de crianças contra a pólio e 10,6 milhões contra o sarampo. Devem tomar a vacina contra a pólio crianças entre 6 meses e 5 anos incompletos. A recomendação é que todas as crianças nessa faixa etária sejam imunizadas, já que a dose vale tanto para colocar em dia a vacinação atrasada quanto para reforçar a de quem está com o calendário em dia.

No caso do sarampo, a vacinação será feita em crianças entre 1 e 5 anos incompletos. Cerca de 10 milhões de crianças devem ser imunizadas com a tríplice viral, que também protege contra a rubéola e a caxumba. Para crianças com alergia ao leite de vaca, a vacinação será feita posteriormente.

A campanha conta com a participação de mais de 350 mil profissionais de saúde e de 42 mil veículos terrestres, marítimos e fluviais, para garantir a vacinação em locais de difícil acesso.

“Vale ressaltar que, para garantir que o esquema básico seja cumprido, as vacinas contra a poliomielite, o sarampo, a rubéola e a caxumba continuam disponíveis durante todo o ano nos postos do Sistema Único de Saúde”, informou o ministério.

A poliomielite é uma doença infectocontagiosa grave e a única forma de prevenção é por meio da vacina. Na maioria dos casos, a criança não morre quando infectada, mas adquire sérias lesões que afetam o sistema nervoso, provocando paralisia irreversível, principalmente nos membros inferiores. A doença é causada pelo poliovírus e a infecção se dá, principalmente, por via oral.

Já o sarampo é uma doença viral aguda grave e altamente contagiosa. Os sintomas mais comuns são febre alta, tosse, manchas avermelhadas, coriza e conjuntivite. A transmissão ocorre de pessoa para pessoa, por meio de secreções expelidas ao tossir, falar ou respirar.

As complicações infecciosas contribuem para a gravidade do sarampo, particularmente em crianças desnutridas e menores de 1 ano. A única forma de prevenção também é por meio da vacina.

Com informações do Portal Brasil

Pacientes de hepatite C poderão contar com novo tratamento no SUS

sus

Ministério da Saúde mantém entendimentos com laboratórios para oferecer novos produtos no Sistema Único de SaúdeMarcello Casal Jr./Agência Brasil

Os pacientes infectados com o vírus da hepatite C vão contar, a partir do ano que vem, com um tratamento que inclui três tipos de medicamentos e tem atingido a taxa de erradicação de 80% a 90% dos casos da doença.

O hepatologista e presidente da Sociedade Brasileira de Hepatologia, Edison Parise, explicou que o Sofosbuvir, o Daclatasvir e o Simeprevir estão em processo de análise para homologação pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária. A decisão deve ocorrer até o fim do ano, para que os medicamentos sejam usados pelos pacientes nos primeiros meses de 2015, em períodos de 12 semanas.

O custo dos remédios é elevado e nos Estados Unidos chega a atingir US$ 120 mil para 12 semanas de tratamento. É por isso que o Ministério da Saúde está em entendimento com laboratórios para fazer a compra em valores mais baixos, a fim de que sejam oferecidos no Sistema Único de Saúde (SUS).

O chefe do Ambulatório de Hepatites do Hospital de Clínicas da Universidade Federal da Bahia (UFBA) e membro do Comitê Assessor do Programa de Hepatites do Ministério da Saúde, Raymundo Paraná, disse que sem essa negociação seria inviável ao SUS garantir a oferta dos produtos. “O SUS não suportaria, de uma hora para outra, que remédios que têm custo de US$ 120 mil nos Estados Unidos fossem universalmente disponibilizados em país como o nosso, que tem limitação orçamentária”, explicou.

Os medicamentos já foram aplicados nos Estados Unidos e na Europa e, segundo Edison Parise, neste mês, em um congresso de especialistas em Boston, houve demonstração dos resultados em mais de mil pacientes, que comprovam a eficácia do tratamento. “Esses medicamentos começaram a ser usados há mais ou menos um ano nos Estados Unidos e agora, no Congresso, foram mostrados dados sobre o uso deles.”

Eficácia
Enquanto os estudos iniciais incluíam poucos pacientes, os dados agora trazem um número muito grande de pessoas tratadas e confirmam os mesmos índices de cura, em torno de 80% a 90%, dos pacientes, com qualidade de tratamento melhor e menos sofrimento”, acrescentou.

Os pacientes transplantados ou que estão aguardando a cirurgia também podem ser beneficiados, porque com os novos medicamentos, o tratamento pode seguir. “Tratada, a doença hepática pode regredir ou eles podem ir ao transplante em condição muito melhor”, destacou Paraná.

O tratamento da hepatite C no Brasil durava 48 semanas, com inúmeros efeitos colaterais e taxa de resposta em torno de 50%. Com a evolução dos remédios, esse número avançou nos últimos anos e a taxa atingiu 70%, mas ainda apresentava efeitos colaterais, que afastavam os pacientes do tratamento.

O infectologista responsável pelo Ambulatório de HIV e Hepatites Virais da Disciplina de Infectologia da Universidade Federal de São Paulo, Paulo Abrão Ferreira, informou que agora, com os produtos que serão ministrados, será possível evitar o uso da proteína sintética interferon. Para ele, isso representa uma revolução no tratamento da doença no país. “É uma revolução porque agora a gente não precisa mais de interferon e não haverá efeitos colaterais”, disse.

Os médicos avaliam que o tempo mais curto de tratamento vai aumentar o número de atendimentos. “Nos Estados Unidos, está sendo tratado em uma semana o que se tratava em meses com o procedimento anterior. Com isso, o Brasil pode quadruplicar a capacidade de tratamento, simplesmente pelo tempo mais curto e pelo número menor de efeitos colaterais” disse Parise.

No Brasil, a hepatite C atinge 2 milhões de pessoas e no mundo chega a 170 milhões, mas se o tratamento for aplicado na integridade, o paciente pode conseguir a cura. “É uma doença curável. Tratou, eliminou o vírus, ela não volta mais”, completou Paraná.

Com informações da Agência Brasil

Meninas adolescentes precisam tomar a segunda dose da vacina do HPV

Meninas entre 11 e 13 anos podem procurar a rede pública de saúde para dar continuidade a vacinação. Leia mais

O SUS oferece a vacina quadrivalente, que confere proteção contra quatro subtipos do HPV | Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O SUS oferece a vacina quadrivalente, que confere proteção contra quatro subtipos do HPV | Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O Ministério da Saúde, por meio das secretarias estaduais e municipais, tenta identificar as meninas de 11 a 13 anos que ainda não tomaram a segunda dose da vacina contra o papiloma vírus humano (HPV). Dados da pasta indicam baixa adesão neste segundo momento da cobertura vacinal.

No primeiro mês de aplicação da segunda dose, 914 mil adolescentes foram imunizadas. O número representa 18,4% do público-alvo, formado por 4,9 milhões de meninas de 11 a 13 anos. A vacinação da segunda dose começou no dia 1º de setembro.

O último balanço do governo mostra que, desde 10 de março, quando a imunização passou a ser ofertada gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS), 4,5 milhões de meninas receberam a primeira dose da vacina, o que representa 92,6% do público-alvo.

Em entrevista à Agência Brasil, o ministro da Saúde, Arthur Chioro, lembrou que se trata de uma vacina nova, que passou a integrar o calendário básico de imunização apenas este ano. Outra particularidade considerada pelo governo, segundo ele, é o público-alvo: adolescentes, faixa etária que dificilmente procura postos de saúde por não ter de tomar nenhuma outra dose.

“O que vamos fazer é um trabalho mais pontual. Estamos identificando meninas que não tomaram a segunda dose e convocando para comparecer aos postos”, explicou, ao se referir ao plano como uma estratégia para as meninas faltosas.

Chioro ressaltou que, apesar da campanha deflagrada no primeiro semestre deste ano, a vacina contra o HPV foi incorporada ao calendário básico de imunização. Assim, está disponível nos postos de saúde durante todo o ano e não apenas no período da campanha. Dessa forma, meninas que completaram 11 anos apenas agora devem procurar uma unidade de saúde para receber a primeira dose.

O SUS oferece a vacina quadrivalente, que confere proteção contra quatro subtipos do HPV (6, 11, 16 e 18). Os últimos dois subtipos são responsáveis por cerca de 70% dos casos de câncer de colo de útero em todo o mundo.

Cada adolescente deve tomar três doses da vacina para completar a proteção: a segunda, seis meses após a primeira e a terceira, cinco anos após a primeira dose.

Com informações da Agência Brasil

Campanha Nacional de Vacinação contra a Pólio começa neste sábado (8)

vacinacao

Sábado, 8 de novembro, é o dia D da 35ª Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite. Neste dia, na Bahia, a meta da Secretaria da Saúde do Estado é vacinar, no mínimo, 95% da população alvo, de forma indiscriminada, ou seja, 918.000 de um total de 965.456 crianças de 6 meses a menores de cinco anos de idade (6 meses a 4 anos 11 meses e 29 dias).

Neste dia, também acontece a Campanha de Seguimento contra o Sarampo e a implantação da vacina tríplice bacteriana – dTpa (acelular) para gestantes e profissionais de saúde que atuam em UTI neonatal e maternidades. A campanha vai abranger todos os 417 municípios e contará com 3.200 salas de vacina.

Este é o 25º ano que o Brasil comemora estar livre do poliovírus. Na Bahia, desde 1989 não acontece nenhum caso da doença. Em 1994, o país recebeu da Organização Mundial de Saúde (OMS), a certificação de área livre de circulação do poliovírus selvagem, juntamente com os demais países das Américas. “Mesmo assim, é fundamental a manutenção de todas as ações de vigilância e das medidas de controle e prevenção, até que aconteça a certificação mundial da erradicação deste agente infeccioso”, explicou Fátima Guirra, coordenadora do Programa Estadual de Imunização.

Campanha, vacina tríplice viral (SRC)
O objetivo é resgatar menores de cinco anos ainda não vacinados e corrigir falha primária da vacinação contra sarampo e da rubéola, visando garantir a manutenção do estado de eliminação do sarampo e rubéola no país. Vacinar no mínimo 860.366 crianças, o que representa 95% da população alvo, ou seja, todos os municípios devem atingir de forma homogênea, este percentual de cobertura, para evitar a manutenção ou formação de bolsões de não vacinados. A vacina é indicada para crianças de 1 a 4 anos, 11 meses e 29 dias.

A Bahia, no período de 24 de fevereiro a junho de 2014 realizou, com indicação da Coordenação Nacional de Imunização a Campanha Indiscriminada com a vacina tríplice viral (SCR) em crianças de 1 ano a menores de 5 anos. Foram incluídos os 16 municípios da 1ª Regional de Saúde e o município de Porto Seguro, na 8ª Diretoria Regional de Saúde. Nestes 17 municípios foram vacinadas 225.507 crianças nesta faixa etária, o que corresponde 93,58%. Destes, oito atingiram a meta de 95% (Candeias, Mata de São João, Pojuca, Salvador, São Francisco do Conde, São Sebastião do Passé, Vera Cruz e Porto Seguro) permitindo a homogeneidade de cobertura igual a 47%. “A vacinação, conjuntamente com as atuais ações de vigilância epidemiológica, diagnóstico, atenção básica e o atendimento de média e alta complexidade possibilitarão, prevenir, controlar e eliminar algumas doenças imunopreveníveis”, finalizou a coordenadora.

Com informações da Secretaria da Saúde

Estrangeiros precisam ter atenção com vacinas para Copa

Pelo menos 3 milhões de viajantes nacionais e outros 600 mil turistas estrangeiros se deslocarão pelo país | Foto: Marcello Casal Jr./ABr

Pelo menos 3 milhões de viajantes nacionais e outros 600 mil turistas estrangeiros se deslocarão pelo país | Foto: Marcello Casal Jr./ABr

Grandes eventos representam situações que ampliam a interação entre pessoas de diversas partes do mundo e que podem colocar a saúde em risco. Por isso, a Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) lançou o “Guia de Saúde – Viagens e Grandes Eventos”, um manual de saúde para quem tiver dúvidas como que vacina o viajante precisa ter para ver um jogo em Manaus (AM) em segurança; quais os riscos o torcedor estrangeiro corre de pegar sarampo no Brasil; como o turista faz para comprar remédios no País.

De acordo com o Ministério do Turismo, pelo menos 3 milhões de viajantes nacionais e outros 600 mil turistas estrangeiros se deslocarão pelo País durante a Copa do Mundo.

“O sarampo é exemplo de risco associado aos deslocamentos. Os casos registrados no País nos últimos 10 anos são decorrentes de brasileiros suscetíveis infectados durante viagens internacionais ou de viajantes estrangeiros que disseminaram o vírus durante visita ao Brasil”, informa Isabella Ballalai, coordenadora científica e diretora da SBIm Nacional.

Algumas vacinas precisam estar em dia como: Hepatites A e B; Poliomielite (“paralisia infantil”); Difteria, Tétano e Coqueluche; Febre Amarela; Meningite Meningocócica (MM); HPV; Sarampo, Caxumba e Rubéola (SCR); Varicela; Tuberculose; Pneumonias, Meningites, Otites e Sinusites; Raiva Humana; Cólera e Diarreia do Viajante (DV).

A vacinação do turista é importante para a proteção dele e também das pessoas que vivem nos países que ele visitará, uma vez que previne a introdução de doenças controladas nos locais de visitação.

E ainda para evitar que, ao retornar para casa, o turista se transforme em um “vetor” de vírus e bactérias.

O Regulamento Sanitário Internacional (RSI) permite que os países exijam o Certificado Internacional de Vacinação e Profilaxia (CIVP) para a entrada de estrangeiros em seu território, e isso pode ocorrer mesmo com os viajantes apenas em trânsito pelos aeroportos.

O Brasil não exige esse documento, mas recomenda que todas as pessoas que vivem ou se dirigem para as áreas em que há recomendação de vacinação de rotina contra a febre amarela estejam vacinadas.

Tecnologia
O Ministério da Saúde está usando tecnologia de ponta para desenvolver um aplicativo, destinado aos torcedores, que fornecerá informações úteis sobre saúde, tais como localização de hospitais e farmácias.

O aplicativo também monitora informações de saúde em redes sociais e faz o mapeamento de tendências de ocorrências epidemiológicas.

Além disso, mapeia o fluxo de viajantes vindo para o Brasil e a situação de risco de seus países de origem por meio da detecção digital de doenças.

A partir dos resultados, serão tomadas providências para informar e proteger a população. O aplicativo poderá ser acessado pelo celular.

Além disso, já está no ar uma página do Ministério da Saúde voltada para o viajante, onde é possível encontrar as informações mais importantes para prevenção de Saúde.

Cartazes e um livro de bolso com as mesmas informações serão afixadas em locais de grande fluxo.

Com informações do Portal Brasil

Sesab recomenda que as pessoas se vacinem contra a Influenza

gripevacinacao

Termina nesta sexta-feira (9), a Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe. A campanha, que começou no dia 22 de abril, vacinou até agora 796.511 pessoas, dando um percentual de cobertura de apenas 27,19. A coordenadora do Programa Estadual de Imunização da Secretaria da Saúde do Estado (Sesab), Fátima Guirra, alerta para a baixa procura pela vacina. “Sabemos que o feriado longo ocasionou a baixa procura pela vacina nos postos municipais de vacinação, mas alertamos para a importância de se imunizar contra a influenza”, explicou Guirra.

Além da campanha para vacinação contra a gripe, também estão em vigor a vacinação de rotina contra o HPV (Papiloma Vírus Humano), para meninas de 11 a 13 anos; vacinação com a Tríplice Viral, em 17 municípios das 1ª e 8ª Diretoria Regional de Saúde, Salvador (mais 16 municípios) e Porto Seguro, respectivamente, e também a vacinação contra o sarampo.

O inverno está chegando, vamos vacinar contra a gripe
Na Bahia, a Sesab informa que o público alvo a ser vacinado contra a influenza é de 2,3 milhões, formado por idosos, crianças de seis meses a menos de cinco anos, trabalhadores da saúde, gestantes, puérperas e indígenas. A novidade deste ano é que o Ministério da Saúde ampliou a faixa etária para crianças de seis meses a menos de cinco anos. No ano passado, o público infantil vacinado foi de seis meses a menores de dois anos.

No estado, devem tomar a vacina 322.626 crianças; 300.460 trabalhadores da saúde; 161.320 gestantes; 26.508 puérperas; 29.220 indígenas e 1.463.931 idosos. Além disso, as pessoas com doenças crônicas devem apresentar prescrição médica no ato da vacinação. Pacientes cadastrados em programas de controle das doenças crônicas do Sistema Único de Saúde (SUS) devem se dirigir aos postos em que estão registrados para receber a vacina, sem a necessidade de prescrição médica.

Quase 80% das meninas estão vacinadas contra o HPV
A vacinação contra o HPV começou em 10 de março. Dados do Programa Nacional de Vacinação (http://pni.datasus.gov.br) até o dia 5 de maio, mostram que 405 Secretarias Municipais de Saúde alimentaram esta fonte de informação, e que 301.575 meninas de 11 a 13 anos foram vacinadas, representando 79,46% de 379.528 meninas nesta faixa etária, a serem imunizadas. “Estamos bem próximos de 80%, que é a meta esperada na primeira e segunda doses, apesar de trabalharmos para vacinar 100% dessa faixa etária”, afirmou Fátima Guirra.

A coordenadora lembra ainda que a vacina HPV quadrivalente foi introduzida no Calendário Nacional de Vacinação como rotina. Portanto, meninas de 10 a 13 anos que por alguma razão não foram vacinadas, devem procurar a Unidade Básica de Saúde para iniciar e ou atualizar a caderneta de saúde do adolescente ou cartão de vacina e ou cartão do vacinado. A vacina contra o HPV continua em todos os 417 municípios baianos.

Vamos reforçar a vacina contra o sarampo
Desde o dia 22 de fevereiro, por conta da situação epidemiológica do sarampo no país, em 17 municípios do Estado da Bahia foi iniciada a vacinação indiscriminada contra o sarampo. A população prevista para esta ação é de 240.989 crianças entre 6 meses e 4 anos de idade. Destes, 173.375 já receberam a vacina tríplice viral, o que representa 71,94% da cobertura vacinal.

Todos os pais que ainda não levaram, por alguma razão, a crianças entre 6 meses a 4 anos de idade para receber esta dose indiscriminada com a vacina tríplice viral (sarampo, rubéola e caxumba), devem procurar um posto ou sala de vacina dos municípios: Camaçari, Candeias, Conde, Dias D’Ávila, Itaparica, Lauro de Freitas, Madre de Deus, Mata de São João, Pojuca, Salvador, Santo Amaro, São Francisco do Conde, São Sebastião do Passé, Saubara, Simões Filho e Vera Cruz (1ª Dires) e Porto Seguro (8a Dires).

Com informações da Sesab

Programa Estadual de Rastreamento do Câncer de Mama é destaque no Conversa com o Governador

O Programa, lançado em 2011, já percorreu 207 municípios baianos onde realizou 118 mil mamografias. Ouça a entrevista na íntegra

Unidade móvel realizará exames e outros serviços gratuitos em bairros de Salvador e Lauro de Freitas | Foto: Camila Souza/GOVBA

Unidade móvel realiza exames e outros serviços gratuitos | Foto: Camila Souza/GOVBA

Lançado em 2011 o Programa Estadual de Rastreamento do Câncer de Mama prossegue levando serviços preventivos de saúde às mulheres na faixa etária de 50 a 69 anos em diferentes regiões do Estado. O programa já percorreu 207 municípios baianos onde realizou 118 mil mamografias. “E ele tem um longo alcance, principalmente para aquelas mulheres que não têm acesso a mamografia, que é o exame preventivo e que pode detectar o início da doença. E aí você tem um tratamento muito mais facilitado e a chance de sobrevida é muito grande”. Todos os serviços são gratuitos e a ação é motivo de orgulho para o governador Jaques Wagner, que abre seu programa semanal de rádio falando sobre a importância desse atendimento para preservar a vida de milhares de mulheres na Bahia.

Jaques Wagner faz questão de acompanhar de perto as caravanas do Programa Estadual de Rastreamento do Câncer de Mama nas diversas cidades por que passa. Nesta segunda-feira (4) o governador esteve em Planalto, no sudoeste da Bahia, onde a unidade móvel do programa, que está no município desde o dia 29 de abril e permanece até este sábado (10), já atendeu quase 500 mulheres na faixa etária de 50 a 69 anos, que fazem parte do grupo de risco da doença.

Ele fala sobre o alcance social do Programa de Rastreamento do Câncer de Mama, que foi lançado em outubro de 2011 no chamado Outubro Rosa. “Eu lancei esse programa inclusive ao lado de minha esposa, Maria de Fátima, presidente das Voluntárias Sociais da Bahia”.

Wagner cita a história da própria mãe: “Eu dou o exemplo da minha mãe: hoje ela está com 90 anos e quando tinha 68, teve um problema de câncer de mama e que foi detectado na época. Vinte e dois anos depois ela está, graças a Deus, viva e acabou de completar 90 anos. Portanto, é isso que a gente pretende: dar condição a todas as mulheres baianas de utilizar o serviço, principalmente no interior, na zona rural, àquela mulher mais simples, mais humilde, de menor poder aquisitivo”.

O governador fala sobre o exame e o tratamento: “O exame é feito com maquinário de ponta, o melhor que há em clinicas privadas, e o público alvo são mulheres de 50 a 69 anos. Eu estive em Planalto para acompanhar mais uma etapa e fiquei muito satisfeito com o trabalho de apoio do prefeito e sua equipe de saúde, que aproveitou para fazer quase que uma Semana de Saúde. E lá a gente tem estimativa de realizar 1.400 exames. É claro que nós não ficamos apenas no exame. Se a mamografia detecta algum início de doença em uma mulher examinada, ela já recebe todo o encaminhamento, todo o direcionamento para fazer uma consulta para começar o tratamento e, com isso, eu não tenho dúvida, nós vamos salvar muitas vidas. Então, esse é um programa que me orgulha muito”.

“Nós já rodamos em mais de 200 municípios baianos e vamos continuar fazendo esse rastreamento porque a nossa ideia é exatamente percorrer toda a Bahia e conseguir fazer o rastreamento completo. Já realizamos mais de 118 mil mamografias e eu tenho certeza de que estou contribuindo com isso para dar mais saúde à mulher baiana”, conclui.

Mais estradas
No programa de rádio o governador fala também sobre mais duas cidades baianas – Brotas de Macaúbas e Ipupiara – que vão ser contempladas com a recuperação de estradas: “Nessa área já há um reconhecimento geral do povo da Bahia pela qualidade, pelo volume de estradas que a gente fez: são mais de 7.500 quilômetros. Agora, chegou a vez da gente entregar a de Brotas de Macaúbas e Ipupiara, ligando os dois municípios. É um investimento total de R$ 12 milhões que vai contribuir muito não só para produção”.

“Eu digo que estrada é educação, quando um jovem tem que pegar uma estrada para ir para uma faculdade ou para um curso técnico. Também é saúde, quando alguém que está dependendo de uma intervenção mais complexa em um hospital de uma grande cidade. É desenvolvimento, porque ela também carrega toda a produção da região. Então, para mim é uma alegria nessa sexta-feira ir lá em Macabúbas e Ipupiára entregar a um cinco meia”.

Água para Pindobaçu
No sábado, outro importante programa do governo estadual leva água a mais uma cidade baiana: “É mais uma etapa desse programa que já ficou conhecido até fora da Bahia, que é o Água para Todos, campeão na oferta de água e esgotamento sanitário em toda a Bahia. São 4 milhões em água, um milhão e meio em esgotamento sanitário. A Embasa e a Cerb nunca investiram tanto como nós estamos fazendo – desde uma simples cisterna até uma grande adutora, ou como nós estamos fazendo aqui no Nordeste no programa Águas do Sertão, que efetivamente tem tirado da seca o pessoal todo aqui do Nordeste, usando o lençol freático aqui de Tucano, e agora chegou a vez de Pindobaçu”.

“O investimento é de R$ 1,3 milhão, vai beneficiar aproximadamente 11 mil habitantes e o Água para Todos ao todo, como eu já disse, já ultrapassa a marca dos 4 milhões, em 413 municípios, além do dinheiro também investido em esgotamento sanitário. Por isso que a presidenta Dilma, reconhecendo o alcance desse programa, lançou o Água para Todos nacional. E eu repito: me sinto muito orgulhoso de ter dado um progresso muito grande no acesso à água em toda a Bahia”.

Dia das Mães
Encerrando o programa o governador Jaques Wagner lembra que no próximo domingo se comemora o Dia das Mães: “A mãe de cada um de nós é tudo. Evidente que o pai é fundamental, mas é inegável a presença da mãe na formação de cada jovem. E eu que sou um homem que acredito que a família é fundamental para construirmos uma sociedade de valores. Quero aqui deixar o meu abraço fraterno, o meu carinho a todas as mães baianas, e dizer que tudo que a gente faz no nosso governo é pensando um pouco em vocês. Seja o Minha Casa, Minha Vida, seja uma estrada, seja água, seja uma universidade, um posto de saúde da família… E eu sei que toda a vez que a vida de alguém melhora, que um filho consegue um emprego, é um alegria para a mãe”.

“Acho que Dia das Mães é todo dia, mas tem um dia especialmente dedicado. Não se envergonhe de não ter um presente. Se puder dar um presente, ótimo. Se não, pegue uma flor ali no fundo do quintal e entregue, porque eu acho que o que vale é o gesto e não o valor monetário do presente. Um abraço e feliz Dia das Mães a todas vocês”.

O programa ‘Conversa com o Governador’ é produzido pela Secretaria de Comunicação Social do Estado da Bahia (Secom), veiculado toda terça-feira, às 7h30, pela Rádio Educadora FM 107,5 MHz e reproduzido por vários veículos de comunicação. Está disponível no site da Secom (www.secom.ba.gov.br) e pelo telefone 0800-071-7328.

Planserv conquista 1º lugar no Benchmarking Saúde 2013

O Planserv acaba de conquistar, pelo quarto ano consecutivo, o 1º lugar na edição 2013 do Prêmio Benchmarking Saúde Bahia, na categoria operadora de autogestão, à frente da Petrobrás e do Cassi. A coordenadora-geral da assistência, Sônia Carvalho, que já recebeu por dois anos seguidos a premiação como a melhor gestora pública, foi eleita em segundo lugar nesta categoria, ficando atrás do ex-secretário estadual de saúde, Jorge Solla, e à frente do secretário municipal de saúde, José Antônio Rodrigues Alves.

A cerimônia de premiação deste ano será realizada em julho, em local e data ainda não divulgados. Pioneira no país, a iniciativa é da revista Diagnóstico, uma publicação do setor de saúde do Nordeste.

Com informações da Saeb