democracia Archive

Governador defende democracia em ato que restituiu mandato a deputados cassados pela ditadura militar

No programa semanal Conversa com o Governador, Jaques Wagner comenta sobre a data que marca os 50 anos do golpe militar de 1964. Ouça na íntegra

Solenidade devolveu, simbolicamente, os mandatos dos 13 deputados estaduais baianos cassados pela Ditadura Militar | Foto: Manu Dias/GOVBA

Solenidade devolveu, simbolicamente, os mandatos dos 13 deputados estaduais baianos cassados pela Ditadura Militar | Foto: Manu Dias/GOVBA

A Bahia escreveu mais uma importante página da sua História com a realização da sessão especial na Assembleia Legislativa que devolveu simbolicamente o mandato aos 13 deputados estaduais baianos cassados pela ditadura militar. A avaliação é do governador Jaques Wagner, que participou da solenidade realizada na data que marca os 50 anos do golpe militar de 1964. É justamente abordando este assunto que ele abre o seu programa de rádio semanal ‘Conversa com o Governador’.

“Acho que foi um ato muito importante, pelo olhar de futuro que isso dá. Foi uma página de História. Além de devolver o mandato, o que é mais importante é dar mais uma lição de democracia para dizer: ditadura nunca mais, opressão nunca mais, cerceamento à liberdade nunca mais; aos direitos políticos e à liberdade de imprensa, nunca mais”, fala o governador a seus ouvintes com a experiência de quem conheceu de perto o terror dos chamados ‘anos de chumbo’.

Na solenidade realizada na AL-BA na manhã desta segunda-feira (31), foram devolvidos simbolicamente os mandatos aos deputados estaduais Diógenes Alves (cassado em 28/04/1964), Ênio Mendes de Carvalho (28/04/1964), Sebastião Augusto de Souza Nery (28/04/1964), Wilton Valença da Silva (19/10/1966), Hamilton Saback Cohim (13/03/1969), Luiz da Silva Sampaio (01/07/1969), Marcelo Ferreira Duarte Guimarães (13/03/1969), Osório Cardoso Villas Boas (01/07/1969), Aristeu Nogueira (19/10/1964), Luiz Leal (01/07/1969), Octávio Rolim (1964), Oldack Neves (março de 1969) e Padre Palmeira (1964).

“Considero que foi um ato nobre da Assembleia Legislativa da Bahia, com a presidência do deputado Marcelo Nilo. O deputado Marcelino Galo foi quem pensou nisso. O ato foi muito bonito. Inclusive hoje no plenário tinha muitos jovens de escolas de Salvador. É lógico que essa devolução abranda a dor de todos os familiares – porque muitos já não estão entre nós – e da própria pessoa que foi violentada por um ato ilegítimo, na medida em que o governo militar não foi um governo da democracia, não foi eleito pelo povo, foi um governo que rasgou a lei, a Constituição e cassou o presidente João Goulart, que foi eleito pela maioria do povo brasileiro”, comenta.

Jaques Wagner lembra que “faz 29 anos que retornamos à democracia, depois do movimento militar de 1964. Mas essa juventude que, felizmente, já nasceu sob a democracia, precisa saber também e se preparar, porque eles serão os futuros dirigentes da Nação. Precisam saber que essa flor da democracia é a mais importante de tudo, porque sem democracia nós não temos nada”.

Obras para a mobilidade
Em seu programa de rádio de hoje o governador fala também sobre sua agenda nas comemorações dos 465 anos de fundação de Salvador. Já está em curso um pacote significativo de intervenções na área da mobilidade urbana e que vão mudar a face do trânsito caótico em que vive a cidade.

“São obras extremamente importantes. Ao todo, juntando o metrô com o que anunciamos semana passada, vamos chegar perto de R$ 8 bilhões de investimentos em mobilidade. Vamos mudar a face do trânsito e dar muito mais tranquilidade às pessoas”, afirma.

“As duas grandes avenidas anunciadas – a Vinte e Nove de Março e a Gal Costa – são avenidas que vão sair do Subúrbio Ferroviário – uma de Lobato e outra de Paripe – e vão chegar na orla atlântica de Salvador. Nós estamos, na verdade, ligando todas as praias internas de baía, que temos lá na [Avenida] Suburbana, com todas as praias do oceano que temos na orla atlântica. Então, são obras fundamentais”.

“O metrô está aí, em 11 de junho começa a rodar. As novas avenidas são três anos até a entrega total, mas aos poucos a gente vai entregando trechos delas e, sem dúvida nenhuma, vai mudar completamente a face e melhorar a vida das pessoas, principalmente do Subúrbio Ferroviário, que é uma grande concentração populacional, e que vai ganhar uma interligação com o metrô e essas duas avenidas”.

Parques São Bartolomeu e de Pituaçu
O governador fala ainda sobre a recuperação dos parques de São Bartolomeu e de Pituaçu: “São R$ 14 milhões em obras, entre cercas, muros, acessibilidade interna, requalificação de vários itens, das quadras poliesportivas, iluminação, itens de segurança… Outro parque que estamos recuperando é o de São Bartolomeu, lá no Subúrbio Ferroviário – é uma obra gigantesca, é a maior reserva de mata atlântica urbana da Bahia. A gente vai tentar também juntar com uma área da Embasa. Então teremos ali no São Bartolomeu mais de 200 hectares de Mata Atlântica preservados para desfruto dos baianos”.

“Tenho certeza que daqui a 13, 14 meses, quando terminam essas obras, a gente vai poder desfrutar de um novo Parque de Pituaçu. O Parque de São Bartolomeu, que fica pronto antes -acredito que a gente pode entregar agora em junho, julho – está belíssimo, com área inclusive para guias, que vão mostrar que o local também é santuário para as religiões de matriz africana. Então, não tenho dúvida que são dois grandes parques que a gente está devolvendo à população, requalificados, contribuindo para a preservação do meio ambiente”.

Ceasinha do Rio Vermelho
Outro assunto abordado pelo governador é a revitalização da Ceasinha do Rio Vermelho. “É outro presente para Salvador nos seus 465 anos. O mercado está voltando para as mãos dos permissionários – mais 15 ou 20 dias, no máximo, todo mundo já estará instalado. E a Ceasinha do Rio Vermelho, que é tão querida por todos, está muito bonita, ampliada, com novas lojas… Sem dúvida nenhuma, vai dar orgulho a todo povo de Salvador”.

“A gente está fazendo a mesma requalificação na Feira de São Joaquim. Está um pouco atrasada, mas acredito também que em julho a gente entrega já a primeira etapa. Então, são várias obras que nós fizemos – desde a Via Expressa, os viadutos na região do Aeroporto – eu diria que é um conjunto de obras que muda a face de Salvador, principalmente para garantir maior fluidez no tráfego”.

Finalizando o programa Jaques Wagner informa aos ouvintes que estará de férias por uma semana. “Mais uma vez agradeço a todos vocês que nos acompanham e desejo uma boa semana a todos, de muita paz, muita saúde. Vou tirar uma semaninha de descanso e na semana que vem a gente estará, de novo, conversando com vocês”.

O programa ‘Conversa com o Governador’ é produzido pela Secretaria de Comunicação Social do Estado da Bahia (Secom), veiculado toda terça-feira, às 7h30, pela Rádio Educadora FM 107,5 MHz e reproduzido por vários veículos de comunicação. Está disponível no site da Secom (http://www.secom.ba.gov.br) e pelo telefone 0800-071-7328.

Carnaval da Cultura garante mais diversidade e democracia no carnaval de rua da Bahia

São centenas de atrações e shows gratuitos de afoxé, samba, reggae, axé, rock, MPB, fanfarras, teatro de rua, música erudita e muito mais.

carnaval2014

O Carnaval da Cultura 2014 é o carnaval da democracia e da diversidade, que leva para as ruas a mistura de ritmos e gêneros musicais e, principalmente, a estética e a arte de diferentes artistas, grupos e entidades culturais da Bahia. São centenas de atrações e shows gratuitos de afoxé, samba, reggae, axé, rock, MPB, fanfarras, teatro de rua, música erudita e muito mais. É diversão garantida para todos os gostos e estilos. O Carnaval da Cultura – uma realização da Secretaria da Cultura do Estado da Bahia, por meio do Centro de Culturas Populares e Identitárias (CCPI) – é um dos grandes diferenciais do carnaval de rua de Salvador e está organizado a partir de quatro programas: Carnaval do Pelô, Carnaval Ouro Negro, Carnaval Pipoca e Outros Carnavais.

“O Carnaval da Cultura visa garantir e estimular a diversidade cultural do carnaval da Bahia, muitas vezes ameaçada pelo predomínio exagerado de interesses econômicos que, dentre outras ações, impõem, muitas vezes, determinados estilos e atrações, a partir de uma lógica meramente mercantil. A ideia é que a diversidade possa estimular o aparecimento de novos ritmos, gêneros, inovações, atrações. E, mais que isto, que elas desenvolvam novos diálogos interculturais que animem ainda mais a cena cultural na Bahia”, declara o secretário da Cultura do Estado da Bahia, Albino Rubim.

O secretário explica que o Carnaval da Cultura “acontece com base em procedimentos definidos, estruturados e públicos, para os quais o horizonte é a qualidade e o mérito das propostas e dos proponentes, em vez da lógica do favor. Isto garante mais democracia e mais afinidade com a dimensão cultural do carnaval”. O investimento do Governo do Estado no Carnaval da Cultura gira em torno de R$ 10 milhões.

BAILECONCERTO da Orquestra Sinfônica da Bahia abre o carnaval
O Carnaval da Cultura começa em grande estilo no domingo, 23 de fevereiro, às 11h, na Sala Principal do Teatro Castro Alves, com a apresentação do BAILECONCERTO da Orquestra Sinfônica da Bahia (OSBA), sob a regência do maestro Carlos Prazeres, no projeto Domingo no TCA, especialmente batizado de “Carnaval no TCA”. Os ingressos (R$ 1) começam a ser vendidos às 9h, no dia do espetáculo, com acesso imediato do público ao teatro.

Com um programa que traz marchinhas clássicas de autores como Braguinha, Noel Rosa e Alberto Ribeiro, além de passear por canções que marcaram época com o surgimento dos primeiros trios elétricos, de autores como Caetano Veloso e Moraes Moreira, a OSBA promove um diálogo entre o popular e o erudito e se integra ao circuito cultural soteropolitano num período tão efervescente como é o carnaval na Bahia.

Além da apresentação no TCA, o BAILECONCERTO da OSBA será também um dos destaques na festa oficial de abertura do Carnaval de Salvador 2014, num show especial no dia 26 de fevereiro (quarta-feira), a partir das 17h, no Farol da Barra. Para afinar os últimos detalhes e testar os arranjos, a OSBA promove, na noite do dia 20 de janeiro (quinta-feira), um ensaio geral para convidados no Teatro Castro Alves.

CARNAVAL DO PELÔ abre espaço para a pluralidade
O Carnaval do Pelô é o carnaval da pluralidade, onde as pessoas fervilham numa mistura de ritmos, artes e ideias. A programação é a mais diversificada entre os circuitos da festa. São shows de reggae; pop rock; afro pop; axé; arrocha; hip hop; samba rap; dancehall e outros estilos, além de apresentações de bandões, fanfarras e mais elementos representativos da cultura popular, como as marchinhas, o teatro de rua e os mamulengos.

A expectativa, este ano, é de que mais de 1 milhão de pessoas participem dos cinco dias de folia no Pelourinho. “A mistura é o que define a identidade e caracteriza a riqueza do Carnaval do Pelô”, afirma a diretora do Centro de Culturas Populares e Identitárias (CCPI), órgão responsável pela coordenação dos programas da Cultura no Carnaval, Arany Santana.

Serão 15 grandes shows no palco principal do Largo do Pelourinho, com atrações já confirmadas, como Carlinhos Brown, Lazzo Matumbi, Baiana System, Mariene de Castro e Margareth Menezes. Nas ruas do Centro Histórico, a animação será garantida por 20 grupos musicais e 12 grupos performáticos. A programação do Carnaval do Pelô é inteiramente gratuita.

CARNAVAL DO PELÔ homenageia Dorival Caymmi e Ilê Aiyê
“Bahia Negra: Caymmi e Ilê” é o tema do Carnaval do Pelô 2014, em homenagem ao centenário de nascimento do cantor e compositor Dorival Caymmi e aos 40 anos do Ilê Aiyê, bloco que revolucionou política e esteticamente o carnaval da Bahia. A Secretaria de Cultura do Estado amplia a homenagem também a outras entidades de relevância histórica que vêm desenvolvendo, ao longo de décadas, ações em prol da cultura negra, como Filhos de Gandhy, Commanche do Pelô, Badauê, Commanche do Pelô e Malê Debalê.

A decoração do Pelourinho, portanto, tem como base os símbolos de Caymmi e dessas entidades culturais para a valorização da cultura negra como elemento formador da sociedade da Bahia. “É interessante ver a arte cumprir sua função social, levando a história e o conhecimento ao cidadão. Para mim, essa condição de expor ao ar livre, fora dos espaços convencionais, de forma que todo mundo veja e, ainda, ter a oportunidade de harmonizar estes elementos com uma paisagem tão culturalmente significativa como a do Pelourinho, é muito importante”, declara o artista plástico baiano J. Cunha, que assina a criação e o projeto gráfico da decoração, informando que as inserções gráficas nas ruas e largos preservam integralmente a arquitetura e o patrimônio do Pelourinho.

A escolha da proposta artística de J. Cunha respeita edital público lançado pela Secretaria de Cultura do Estado da Bahia. Com 40 anos de carreira, o artista privilegia a cultura popular como inspiração de suas obras. Dentre os inúmeros trabalhos que o fazem reconhecido nacional e internacionalmente está a criação da identidade visual do Ilê Aiyê.

O tema “Bahia Negra: Caymmi e Ilê” está referenciado por uma das diretrizes que guiam as políticas culturais da SecultBA: a ampliação dos diálogos interculturais. O afro-brasileiro é um dos muitos sotaques que configuram a cultura baiana, uma herança atualizada a cada novo Carnaval, mas também através de encontros, discussões e publicações. Para além das festas, a Secretaria tem empreendido, através de seu Centro de Culturas Populares e Identitárias, uma série de políticas e eventos de aprofundamento do tema, a exemplo do I e II Encontros das Culturas Negras.

CARNAVAL OURO NEGRO exalta o legado cultural africano
Mais de 100 entidades carnavalescas dos segmentos afro, afoxé, samba, reggae e índio vão participar do Carnaval Ouro Negro este ano e prometem levar para a avenida verdadeiros espetáculos que homenageiam esse legado cultural.

“O Carnaval Ouro Negro é, hoje, de vital importância para as entidades baianas de matrizes africanas. Apesar de nosso carnaval ser bastante africanizado, estas agremiações, em especial as médias e pequenas, têm grande dificuldade de obter patrocínios, o que evidencia o preconceito social ainda vigente. Mesmo as grandes e poderosas entidades afro sofrem com isto. O Carnaval Ouro Negro ajuda a garantir a presença fundamental, diversa e bela das entidades negras no carnaval da Bahia”, avalia o secretário de Cultura do Estado, Albino Rubim.

Uma das principais contribuições do Ouro Negro é o estímulo ao Afródromo, um dos movimentos mais relevantes da renovação do carnaval baiano. Nascido no bojo das entidades negras do Carnaval da Bahia e de sua liga recém-criada, ele recoloca, em lugar de destaque, as entidades negras. A Secretaria de Cultura apóia decisivamente a instituição do Afródromo, desde o primeiro momento, por considerar sua capacidade de inovação e por sua luta para recolocar as entidades afro no lugar de destaque que merecem ocupar no Carnaval da Bahia.

Todos os blocos que participam do Afródromo fazem parte do programa Ouro Negro, desenvolvido a partir de um credenciamento anual pelo qual as entidades carnavalescas recebem subsídios para manterem vivas a tradição de desfilar a cultura afro-brasileira no carnaval de Salvador. “O Carnaval Ouro Negro abraça grupos de grande importância social e cultural que ajudam a contar a história da Bahia e do carnaval. Além do investimento na festa, o programa possibilita que estas entidades desenvolvam trabalhos sociais dentro de suas próprias comunidades, o que se estende durante o ano inteiro e é um auxilio para melhoria na qualidade de vida de crianças, jovens e adultos”, afirma a diretora do Centro de Culturas Populares e Identitárias (CCPI), Arany Santana.

CARNAVAL PIPOCA democratiza o acesso de artistas e foliões
No Carnaval Pipoca, as cordas não têm vez. O apoio da Secretaria de Cultura do Estado é justamente para um carnaval com dificuldades de existência: aquele com atrações culturais voltadas para o folião que não veste abadá e que, portanto, está fora da lógica mercantil de blocos e estrelas. Um carnaval da maioria, afinal, segundo pesquisa feita pela própria SecultBA, o folião pipoca compõe o público majoritário do carnaval de Salvador e, portanto, merece toda a atenção.

“Os artistas que fazem o projeto Carnaval Pipoca merecem ser prestigiados. Um projeto que democratiza o acesso de artistas dos mais diferentes segmentos aos palcos, tornando-os visíveis ao público e, ainda, que democratiza o acesso do público a um espaço de lazer tão significativo como é o carnaval, é muito importante para o desenvolvimento da cultura”, avalia a diretora do Centro de Culturas Populares e Identitárias (CCPI), Arany Santana.

Este ano, a programação do Carnaval Pipoca acontece no Pelourinho e nos circuitos do carnaval. Nos circuitos da folia, destaque para os microtrios, que este ano, ganharam um investimento maior – R$ 500.000,00 (quinhentos mil reais). O aumento se justifica pelo sucesso de público alcançado no ano passado, aliado à qualidade musical das atrações.

O microtrio une referências históricas. Passado e presente se combinam para proporcionar ao folião a maior proximidade com o artista e até a emoção tão cantada dos antigos carnavais. ”O microtrio é uma tradição que faz parte da história do carnaval e da música baiana. É um elemento de resistência que permanece, mesmo após o domínio dos trios elétricos. Para que esta memória continue sendo fortalecida, é necessário que o público se interesse por conhecer a proposta e valorize”, convida a diretora do CCPI, Arany Santana.

Além da criatividade do microtrio, 36 atrações artísticas serão selecionadas para as apresentações nos largos Tereza Batista, Pedro Archanjo e Quincas Berro D’Água, no Pelourinho. Os grupos e artistas vão passear por ritmos como afro, reggae, arrocha, pop rock, afro pop, axé, antigos carnavais, samba, rap, hip hop, ragga e dancehall.

OUTROS CARNAVAIS apóia os carnavais diferenciados
Apoiar os carnavais diferenciados e com importante singularidade cultural, como é o caso do Palco do Rock e do Carnaval de Maragojipe, reconhecido pelo Governo da Bahia, através da SecultBA como patrimônio cultural imaterial. Este é o propósito do Programa Outros Carnavais. A beleza e a singularidade do Carnaval de Maragojipe passeiam por sua capacidade de preservar, e atualizar, a rica tradição das máscaras e caretas no Recôncavo Baiano.

Outro carnaval que faz a diferença na programação cultural da folia em Salvador, e que também conta com o apoio da Secretaria da Cultura do Estado, é o Palco do Rock, que tem lugar cativo no coqueiral da praia de Piatã, de sábado (01) à terça-feira (04) de março, das 18h30 às 03h30 da madrugada. Trata-se do maior festival de rock independente da Bahia, com a participação, este ano, de 32 bandas locais e de outros estados. É, também, o primeiro festival de rock independente incluído nos carnavais do Brasil. O Palco do Rock chega a sua 20ª edição em 2014 com a expectativa de atrair, nos quatro dias, aproximadamente 17 mil pessoas – mais uma prova de que o Carnaval da Cultura promove a folia mais diversificada e democrática de Salvador.

Wagner diz que a Bahia é campeã nos investimentos públicos de várias áreas desde 2007

No programa de rádio desta terça (4), o governador faz um balanço dos últimos sete anos de gestão. Ouça na íntegra

“Não tenho dúvida, e me orgulho muito disso, de ter dado tudo de mim até agora, e vou continuar até o final do ano, deixando a Bahia cada vez mais preparada para cada dia gerar mais emprego, mais desenvolvimento e mais tranquilidade para nossa gente”. É o que declara o governador Jaques Wagner, no seu programa de rádio desta terça-feira (4), ratificando o que afirmou durante a leitura da sua mensagem na reabertura dos trabalhos da Assembleia Legislativa da Bahia na segunda (3).

Ouça o programa na íntegra

Na ocasião, ele fez um balanço dos últimos sete anos de gestão, quando, como afirmou, o Estado da Bahia se tornou “campeão em investimento em água e saneamento, estrada, universidades, ensino médio profissionalizante, geração de emprego, contratação de novos policiais”, entre outras áreas.

Wagner destaca ainda no programa os resultados da viagem que realizou, na semana passada, ao Japão e à China, “quando plantamos boas sementes para atrair novos investimentos”, e da entrega de estradas recuperadas interligando os municípios de Itaberaba e Rui Barbosa, no último final de semana.

Também informa sobre as visitas que fará, nos próximos dias, a Guajeru, Monte Santo e Quijingue – para entregar obras nas áreas de saneamento, habitação -, e nesta terça à obra de ligação direta da Avenida Luís Eduardo Magalhães com os bairros do Stiep e Boca do Rio, que integra o Complexo Viário Imbuí-Narandiba.

O governador disse aos parlamentares e autoridades presentes na Assembleia Legislativa que a Bahia captou nos últimos anos mais de 500 novos investimentos, “entre empresas novas e se ampliando”. Na área de infraestrutura, ele destacou a construção da Ferrovia de Integração Oeste-Leste (Fiol) e a duplicação de estradas, “que estão por vir”.

Viagem internacional
O governador também enfatiza no programa a busca de mais investimentos para o Estado no Japão, onde visitou, na cidade de Sakaide, o estaleiro da Kawaaki. Lá, segundo ele, para sua “alegria”, encontrou 24 jovens baianos do Estaleiro Enseada do Paraguaçu (EEP) se capacitando na tecnologia japonesa “para quando tivermos a inauguração aqui eles possam já estar trabalhando”.

Segundo Wagner, foi conversado com a Kawasaki sobre a possibilidade da empresa se instalar na Bahia – “já que nós queremos fazer um polo naval ancorado nesse estaleiro – e trazer outras empresas na cadeia produtiva da produção dos navios de sonda, dos navios para a Petrobrás”.

Na China, o contato foi com mais uma empresa de automóveis, Byke, a quarta maior produtora de automóveis do País. Nos próximos meses, informa o governador, deve chegar à Bahia uma comitiva para reunião sobre o assunto. Ele também visitou a cidade de Chongqing, para pressionar pela aceleração da implantação “de uma grande esmagadora de soja chinesa, a chamada Mundo Verde”, no município de Barreiras, no oeste baiano.

Estrada ampliada
O Conversa com o Governador também destaca a melhoria e ampliação da malha rodoviária de Estado. No final de semana, Wagner entregou 35 quilômetros de estrada recuperada, interligando os municípios de Itaberaba e Ruy Barbosa, na Chapada Diamantina.

O investimento de quase R$ 24 milhões, “sonhado há mais de 50 anos”, beneficia 140 mil pessoas e é uma “alternativa para pegar a BR-242 para Barreiras ou a Estrada do Feijão, que vai até Xique-Xique. Eu creio que é mais uma etapa de tanto trabalho que a gente tem feito na área de rodovias e estradas aqui na Bahia”. Em Ruy Barbosa, ele também assinou o convênio para adequação do mercado municipal.

Complexo Viário
Wagner informa também que, nesta terça-feira, vai visitar a obra de construção do complexo viário Imbuí-Narandiba, especialmente o trecho da ligação direta da Avenida Luis Eduardo Magalhães com os bairros do Stiep e Boca do Rio. “Tanto o Imbuí, quanto a [Avenida] Pinto de Aguiar, e o Viaduto de Narandiba são obras do nosso governo que contribuem muito para [melhorar] essa questão, que é tão grave hoje, de mobilidade urbana, principalmente nas grandes capitais como Salvador, a terceira maior do País”.

O governador diz não ter dúvidas de que a Via Expressa Baía de Todos-os-Santos, o complexo viário na saída do aeroporto e a duplicação da [rodovia] CIA-Aeroporto têm contribuído para desafogar e melhorar o complexo trânsito de Salvador e região metropolitana, particularmente de Lauro de Freitas.

“Então, essa visita é para ver como as obras estão indo. Graças a Deus, elas estão avançadas, tanto a do Imbuí quanto da Pinto de Aguiar, que eu visitei a aproximadamente 15 dias atrás. Espero poder entregar essas obras ainda em 2014, antes de me afastar do governo”.

Abastecimento
Jaques Wagner informa ainda no programa a entrega, nesta quarta-feira (5), do sistema integrado de abastecimento de água do município de Guajeru, no centro sul baiano, um investimento de R$1,8 milhão, que beneficiará 5,5 mil pessoas.

Na sexta (7), ele vai a Monte Santo, no nordeste, para entregar 200 unidades do Loteamento Serra da Santa Cruz, um investimento de aproximadamente R$ 10 milhões. “Com certeza, será uma festa para mais famílias, que passam a ter o seu endereço, a sua casa própria, através do programa Minha Casa, Minha Vida”.

No mesmo dia e região, Wagner segue para Quijingue para inaugurar também o sistema de abastecimento de água, que atenderá a vários povoados. São obras que compreendem tanto a captação quanto a adução de mais de 20 mil metros de linha, com investimento total de R$ 1,7 milhão e população beneficiada de aproximadamente quatro mil pessoas.

Para ele, “O governante tem que estar onde o povo está. Realmente, a gente tem viajado muito para o interior para anunciar novas obras ou entregar obras como essas”. Wagner se despede afirmando ser uma “alegria” para ele, “depois desses dez dias fora”, retomar o contato com a população por meio do Conversa com o Governador.

O programa é produzido pela Secretaria de Comunicação Social do Estado da Bahia (Secom), veiculado toda terça-feira, às 7h30, pela Rádio Educadora FM 107,5 MHz e reproduzido por vários veículos de comunicação, além de ficar disponível na página www.comunicacao.ba.gov.br/conversa e pelo telefone 0800-071-7328.

1º Fórum Baiano de Comunicação e Democracia reúne palestrantes de importância nacional

O evento foi promovido pelo Conselho de Comunicação Social da Bahia, em parceria com a Secretaria de Comunicação do Estado (Secom)

Fórum debate desafios e oportunidades para o setor da radiodifusão e telecomunicação| Foto: Carol Garcia/GOVBA

Fórum debateu desafios e oportunidades para o setor da radiodifusão e telecomunicação| Foto: Carol Garcia/GOVBA

Mais de 300 pessoas, entre profissionais, empresários e estudantes, participaram do Iº Fórum Baiano de Comunicação e Democracia, realizado nesta quinta-feira (30), no Hotel Matiz, bairro Costa Azul, em Salvador. O evento foi promovido pelo Conselho de Comunicação Social da Bahia, em parceria com a Secretaria de Comunicação do Estado (Secom), e contou com palestrantes de importância nacional para as discussões sobre temas como TV Digital e o mercado da comunicação.

“A impressão foi muito positiva. O que eu percebi, foi um entusiasmo e uma vontade de participação da sociedade civil. É uma pauta muito rica, onde profissionais de todo o estado, radialistas, jornalistas, produtores, estudantes, empresários se reuniram para colocar a comunicação no seu devido status de política pública”, afirmou o secretário estadual da Comunicação Social e presidente do Conselho, Robinson Almeida.

Ele enfatizou ainda que “há a necessidade de debater e interagir a inclusão, como é que a população terá mais acesso a estes serviços e quais os desdobramentos na vida das pessoas destas novas tecnologias”.

Segundo o secretário, foram discutidas ao longo do dia a agenda do Brasil em 2014 para a comunicação e as políticas que estão sendo elaboradas pelo Ministério das Comunicações e pela Agência Nacional do Cinema (Ancine). “Um exemplo é a antecipação do sinal analógico, que estava previsto para 2016 e vai acontecer de forma antecipada por conta da Copa do Mundo, havendo a necessidade de se liberar as faixas de frequência para a Internet 4G”.

Telecomunicação e audiovisual no Brasil
A TV digital, a democratização dos meios e a importância da oferta de uma banda larga eficiente foram os temas centrais da primeira rodada de discussões, que tratou da telecomunicação e produção audiovisual no Brasil.

Participaram da mesa, além do secretário Robinson Almeida, o senador Walter Pinheiro, o representante do Ministério das Comunicações, Octávio Pieranti, a diretora da Agência Nacional de Cinema (Ancine), Rosana Alcântara, e o presidente da Associação Baiana de Imprensa, Walter Pinheiro.

Pieranti destacou que a Bahia é pioneira em políticas de comunicação, constituiu o conselho estadual antes dos demais estados brasileiros, pleiteou e recebeu autorização para o primeiro canal da cidadania do país. “Este fórum é mais um evento que demonstra o pioneirismo e o protagonismo da Bahia. É fundamental envolver a sociedade nos debates e isto está acontecendo claramente aqui na Bahia. É um exemplo a ser seguido para a construção de um cenário cada vez mais forte na comunicação brasileira. Comunicação e democracia interagem e estão ligadas”.

Envolvimento da sociedade
Para Rosana Alcântara, a iniciativa baiana de envolver a sociedade na discussão é importante não somente para apoiar políticas públicas, mas também porque o país vive um momento aquecido da produção audiovisual.

“A Bahia sempre foi um polo importante de consumo e produção audiovisual, filmes e diretores saíram daqui para o Sudeste. É importante que eles possam ficar aqui, contratando mão de obra, emplacando seus filmes e aproveitando editais da Ancine e do Prodav [Programa de Apoio ao Desenvolvimento do Audiovisual Brasileiro], que estão mobilizando R$ 400 milhões, possibilitando a produção local”, explicou Rosana.

De acordo com o senador Walter Pinheiro, a TV digital deveria obrigatoriamente ter chegado para servir como instrumento de interação, e não somente para melhorar a qualidade da imagem. “Este foi o desafio que nós travamos. Apresentamos um projeto de lei para disputar essa questão no Brasil e vencemos. Desenvolvemos um software que hoje é o principal elo de ligação de plataforma digital no mundo”.

Desafios da digitalização na comunicação pública e no mercado
Durante a tarde, os desafios da digitalização na comunicação pública e no mercado mobilizaram a atenção do público. Os participantes falaram sobre a importância da regionalização da programação e da diferença entre as tecnologias utilizadas atualmente na produção da TV aberta e dos avanços tecnológicos necessários para a implantação da TV digital.

O diretor-executivo do SBT Nordeste, Luís Carlos Gurgel, disse que a TV Digital representa uma mídia totalmente nova. “É tão diferente e com tantas possibilidades que demanda profissionais e cursos específicos para a sua implementação”. Segundo ele, a multiprogramação é uma das ferramentas novas que a TV digital oferece.

Gurgel informou que “ainda não está disponível para as emissoras regionais, mas é uma ferramenta que pode se viabilizar economicamente e estabelecer um grande incentivo para as produções audiovisuais e culturais de todas as regiões do Brasil”.

Para o diretor da Empresa Brasil de Comunicação (EBC), Eduardo Castro, a TV Digital ainda vai demorar para ser utilizada por todas as emissoras.

“É uma complicação inevitável porque a tecnologia é muito melhor, pela qualidade da imagem e pelas possibilidades de interatividade e de portabilidade. Assim, todas as emissoras precisam se equipar melhor e preparar o seu parque funcional, assim como as faculdades e os cursos técnicos precisam se preparar para isso”.

Conselho
A Bahia, segundo Eduardo Castro, é o estado que está na frente na discussão da comunicação institucionalizada com a criação do Conselho de Comunicação Social. “Eu já estive aqui, discutindo o planejamento estratégico do Irdeb [Instituto de Radiodifusão do Estado da Bahia] e agora tenho a chance de estar aqui neste primeiro fórum de comunicação que o Governo do Estado está realizando”.

O secretário Robinson Almeida informou que o seminário faz parte do fechamento das realizações do Conselho de Comunicação Social do Estado da Bahia. “Estamos concluindo um mandato de dois anos. Amanhã [sexta-feira, 31] haverá a eleição dos novos membros. É uma experiência inédita, fruto de demandas que nós coletamos ao ouvir a sociedade em duas conferências, entendendo sempre que comunicação não é apenas notícia e propaganda, mas uma área que pode ser considerada um serviço, um direito do cidadão e também uma atividade econômica importante que movimenta milhões de reais e gera milhares de empregos”.

Para Almeida, a nova gestão do conselho vai ter uma caminhada ainda melhor e há vários desafios na pauta. “Os novos membros da sociedade civil, do segmento empresarial e do governo eleitos vão dar continuidade por mais dois anos, aprofundando a democratização da comunicação e levantando novas e futuras bandeiras mais presentes hoje neste mundo, que nos apresenta uma revolução tecnológica e desafia a todos a incluir as pessoas”.

Com informações da Secom

Fórum de comunicação e democracia debate TV Digital e mercado

A inscrição para o Fórum  Baiano é gratuita e trará palestrantes de importância nacional para as discussões. Veja a programação.

TV Digital e o Mercado da Comunicação são alguns dos assuntos que serão debatidos no Iº Fórum Baiano de Comunicação e Democracia, realizado pelo Conselho de Comunicação Social da Bahia, em parceria com a Secretaria de Comunicação do Estado (Secom), no próximo dia 30 (quinta-feira), das 8h30 às 17h, no Hotel Matiz (Costa Azul, Salvador). O evento é gratuito e trará palestrantes de importância nacional para as discussões.

Faça sua inscrição

Além de promover o debate, o Fórum de Comunicação pretende propiciar um ambiente de formação privilegiado para sociedade civil organizada, empresários, profissionais da área e estudantes.

forumbaianocomunicacao

Entre os palestrantes, estão o senador baiano Walter Pinheiro, pioneiro nas discussões sobre TV Digital no Brasil; Rosane Bertotti, coordenadora do Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação (FNDC) e secretária de Comunicação da CUT; Luís Carlos Gurgel, diretor executivo do SBT Nordeste; e Eduardo Campos, diretor da Empresa Brasil de Comunicação (EBC).

A última mesa do evento dará luz aos avanços e quais as perspectivas para a comunicação, a partir de uma discussão sobre a atuação do Conselho de Comunicação Social da Bahia. Até o momento, mais de 300 pessoas já se inscreveram para o Fórum.

Com informações da Secom

“Energia que brota das ruas é positiva para a democracia”, diz Wagner

Governador destaca importância dos movimentos sociais | Foto:  Manu Dias/GOVBA

Governador destaca importância dos movimentos sociais | Foto: Manu Dias/GOVBA

A defesa da democracia e do diálogo com as lideranças da sociedade civil organizada ganha destaque no programa de rádio Conversa com o Governador desta terça-feira (23). “Essa energia que brota das ruas é positiva para a democracia, a despeito de alguns que tentam se utilizar dessas manifestações para baderna e para bagunça”, afirma o governador Jaques Wagner.

Ouça o programa na íntegra

Reforçando o compromisso social que pauta as ações do Governo do Estado, o programa traz informações sobre a inauguração, em Salvador, do Centro de Economia Solidária (Cesol) do bairro da Sussuarana, nesta quarta (24), semana em que Wagner vai também a três cidades do interior – Maragogipe, no Recôncavo, e Itarantim e Potiraguá, na região de Itapetinga -, assinar ordens de serviço para a construção de ponte e recuperação de mais estradas.

“Como já recebi vários segmentos [religiosos, estudantes, empresários, trabalhadores, partidos políticos] aqui, é claro que estou aberto ao diálogo com o Movimento do Passe Livre (MPL) e também com outras lideranças das manifestações que lutam por mais saúde, mais educação e melhoria de transporte coletivo, entre outras bandeiras”, afirma Wagner.

Para ele, é preciso receber as demandas da população, mas “sem desprezar essa caminhada que tem sido feita desde 1985, quando o Brasil recuperou a democracia, depois conquistou a estabilidade econômica e passou por um processo de inclusão social muito grande”.

Trabalho e renda
Sobre o Cesol, Wagner diz que, ao lado da criação de 530 mil novos empregos nos últimos seis anos e meio, o equipamento reforça a geração de trabalho e renda para a população. “É preciso estimular o empreendedorismo. Isso a gente também faz, por meio do microcrédito que a gente dá através da Secretaria do Trabalho e do nosso Desenbahia, para estimular as cooperativas e os empreendimentos solidários”.

O governador informa que o Cesol de Sussuarana vai atender à população de Cajazeiras, Valéria, Pau da Lima, Tancredo Neves e Cabula. “Ao longo de 2013, com essa central, a gente pretende estimular até 50 empreendimentos que podem beneficiar diretamente 1.100 pessoas. Empreendimentos de economia solidária são aqueles onde se juntam três, quatro, cinco, dez pessoas para que possam, com o trabalho, ganhar o seu sustento”.

Wagner diz que o centro de Sussuarana é o oitavo Cesol da Bahia, “sempre com a missão de dar sustentação às pessoas”, por intermédio do seu próprio trabalho, “que é o objetivo do Cesol. Eu espero poder contribuir com a população da região do entorno de Sussuarana para melhorar as condições de vida de toda nossa gente”.

Melhores estradas
Na sexta-feira, de acordo com o governador, ele vai a Itarantim e Potiraguá assinar ordem de serviço para recuperação e pavimentação da BA-270. “São 27 quilômetros, praticamente R$10 milhões. É mais um compromisso de fazer, cada vez mais, melhores estradas na Bahia, já totalizando 7,2 mil quilômetros. Eu espero chegar até 9 mil quilômetros até o final de 2014”.

No sábado, em Maragojipe, o governador assina mais ordens de serviço, para a construção da ponte sobre o rio Beatantã e para a via de acesso da BA-534, no trecho Cairu-Enseada. Segundo Wagner, o investimento é de R$42 milhões e vai beneficiar os municípios de São Roque do Paraguaçu, Nazaré, Salinas da Margarida, Itaparica, Vera Cruz e Maragojipe.

“É claro que também visa à instalação do estaleiro Enseada do Paraguaçu, que já está em obras e, quando começar a funcionar, vai gerar muitos empregos para aquela região. Essa ponte é parte do compromisso do governo com o empreendimento do estaleiro Enseada do Paraguaçu”, diz o governador.

O programa Conversa com o Governador é produzido pela Secretaria de Comunicação Social do Estado da Bahia (Secom), veiculado toda terça-feira, às 7h30, pela Rádio Educadora FM 107,5 MHz e reproduzido por vários veículos de comunicação, além de ficar disponível na página do Conversa e pelo telefone 0800-071-7328.

Pedidos de informação aumentaram 79% após a LAI

No comparativo entre 16 de maio a 21 de agosto (2011/2012) observou-se um aumento de 2.227 registros. Confira os dados

A Ouvidoria Geral do Estado da Bahia registrou um aumento de 79,28% nos pedidos de informação, após a Lei de Acesso à Informação (LAI) entrar em vigor, no dia 16 de maio deste ano. Os dados foram apresentados pelo ouvidor-geral, Jones Carvalho, durante o seminário Cidade, Megaeventos e a Lei de Acesso à Informação, organizado pelo Instituto Ethos e realizado na Faculdade de Arquitetura da UFBA, nesta quarta-feira (22).

Evento debateu mecanismos para potencializar transparência da administração pública

No comparativo entre 16 de maio a 21 de agosto, observou-se um aumento de 2.227 registros, saindo de 2.809 (2011) para 5.036 manifestações (2012). “A Lei de Acesso à Informação (LAI) foi uma Lei que pegou. O cidadão sabe que com a LAI terá direito a resposta dos órgãos públicos”, avalia Carvalho.

Veja a palestra proferida pelo ouvidor-geral do Estado abaixo. Se tiver dificuldade em visualizar o arquivo clique aqui

O secretário extraordinário da Copa 2014, Ney Campello, disse que a Lei de Acesso consolida a democracia e torna as instituições públicas mais transparentes. “Com a organização da Copa do Mundo de 2014, nós criamos e publicizamos os indicadores de avaliação, para que a sociedade possa acompanhar o desenvolvimento dos projetos”, pontua.

A promotora do Ministério Público do Estado da Bahia, Rita Tourinho, destacou que a LAI é um marco importante na legislação brasileira para potencializar o controle social e a transparência dos órgãos públicos. “A transparência faz parte da administração e os gestores não podem se isentar desta questão. É preciso desenvolver a cultura de informação no setor público”, avalia.

“Lei de Acesso à Informação consolida a democracia”, avalia ouvidor-geral

O ouvidor-geral do Estado da Bahia participou da 87ª Reunião do Fórum de Diretores Administrativos e Financeiros da Abep, realizada em Salvador.

“A Lei de Acesso à Informação representa um avanço na consolidação da democracia brasileira”. A avaliação é do ouvidor-geral do Estado da Bahia, Jones Carvalho, realizada durante palestra na 87ª Reunião do Fórum de Diretores Administrativos e Financeiros da Abep, que reúne diretores de empresas estatais de processamento de dados de todo o Brasil, no Hotel Vila Galé, em Salvador, nesta quinta (5) e sexta-feira (6).

Evento reuniu representantes de diversos estados

Em sua palestra, o ouvidor-geral pontuou que a Lei de Acesso à Informação (LAI) muda a cultura da administração pública no que tange o gerenciamento e a disponibilização das informações e arquivos públicos.

“A LAI é fundamental para potencializar o controle social e melhorar a qualidade da atuação do Estado, porém, para isso, precisamos otimizar a transparência ativa”, frisa. Para tal processo Carvalho destaca a necessidade da padronização e classificação dos documentos públicos, bem como a digitalização dos arquivos e publicação na internet.

Sobre o evento
O evento, organizado pela Associação Brasileira de Entidades Estaduais de Tecnologia da Informação e Comunicação (Abep) através da Companhia de Processamento de Dados do Estado da Bahia (Prodeb), é um importante fórum de debates sobre as novas oportunidades de avanços nas áreas de gestão administrativa/financeira do setor de Tecnologia da Informação.

Confira um resumo dos debates realizados
Veja mais fotos do 87ª Reunião do Fórum de Diretores Administrativos e Financeiros da Abep

Cortejo ao 2 de Julho reafirma a democracia e a diversidade da Bahia

 

O que era para ser apenas um evento cívico em homenagem à definitiva independência brasileira de Portugal, ao passar dos anos, o Cortejo ao Dois de Julho cresceu, manteve os protocolos, porém sem muitas formalidades e se tornou uma das principais manifestações artísticas, culturais e ainda um momento para engrossar o coro em prol de causas sociais, direitos e deveres dos cidadãos baianos.

Vejas as imagens do cortejo

Além de celebrar os 189 anos da vitória baiana e brasileira que culminou na expulsão das tropas portuguesas, milhares de pessoas, entre lideranças religiosas, profissionais liberais, políticos, professores, estudantes, jornalistas, sindicalistas, acompanham as duas carruagens com as imagens do caboclo e da cabocla. Durante todo o percurso que vai da Lapinha ao Pelourinho (manhã) e da Praça Municipal ao Campo Grande (tarde), eles apresentam ideias e defendem ideais.

Vestido com um chapéu e um colete, ambos confeccionados com lacres retirados de latinhas de alumínio, o policial militar Jeferson Dias aproveitou para defender o uso de material reciclável na confecção de roupas e adereços. “Precisamos preservar a natureza, precisamos agir com sustentabilidade. A natureza precisa da gente e a gente precisa da natureza”.

Personagens fundamentais da história da independência baiana e brasileira, entre eles, João das Botas, general Labatut, o Caboclo e a Cabocla, representando os índios, foram representados por todo o percurso. Crianças, adultos e idosos se caracterizaram em homenagem aos guerreiros que atuaram na batalha.

Há 11 anos, Romilda Anunciação dos Santos se veste de Maria Quitéria (personagem que se disfarçou de homem para participar da batalha), para participar do cortejo que é Patrimônio Cultural da Bahia. “É muito importante que nós brasileiros tenhamos patriotismo. O 2 de Julho tem que ser comemorado em todo o Brasil”, defende.

Dificilmente quem vai para o desfile não acena com as pequenas bandeiras do Brasil e os cata-ventos verde e amarelo (Brasil) ou vermelho, azul e branco (Bahia), os preferidos das crianças. Com os preços acessíveis, entre R$ 1 e R$ 5, a variedade de produtos impressiona e ajuda a colorir o cortejo.

Por esta razão, tem quem prefira lucrar com o desfile. É o caso do vendedor ambulante Jucelino Medeiros, que fez sucesso com o brinquedo para fazer bolas de sabão. “É uma oportunidade pra gente ganhar um dinheiro extra. Estou vendendo bem, graças a Deus”.

O casal de turistas Teresa e Bob Foxworthy saíram do estado da Virgínia, nos Estados Unidos, para passar férias na capital baiana. “Estamos gostando muito do cortejo. É um prazer participar de um dia tão importante para a Bahia”, disse Bob, que fez questão de registrar com câmera fotográfica os grupos percussivos que subiam a ladeira do Pelô.

Ao invés de passar o último dia do feriadão em casa, pessoas de todas as idades optaram por prestigiar o desfile. Em alguns pontos era possível observar grupos de famílias se divertindo com o evento. “É uma tradição nossa que passa de pai pra filho. Como pais temos a obrigação de trazer nossos filhos. O desfile é o melhor momento para isso”, declarou o encarregado de limpeza Marcos Zacarias, que levou a filha e o neto ao Pelourinho para assistir a chegada do cortejo.

Durante a tarde, parecia que a religiosidade ganhou ainda mais força. As mães-de-santo que já haviam desfilado pela manhã, ganharam reforço de babalorixás que deram banho de folhas em quem passou pela Praça Municipal. “Para afastar todo o mal e dar axé neste dia tão especial”, afirmou Roberto Carlos Capistrano dos Santos, babalorixá.

Além das dezenas de filarmônicas, fanfarras e bandas, no período vespertino também teve espaço para encenação teatral. Anderson Moreira, membro da Associação Brasileira dos Amigos das Fortificações Militares, compareceu vestido de Dom Pedro I, inclusive com o mesmo desenho de barba. “Foi ele quem deu início à separação do Brasil. Estamos aqui para ajudar a manter viva esta história. Somos um museu vivo”, explicou Moreira, que também estava acompanhado de soldados caracterizados à época.

Ao som dos hinos Nacional e ao Dois de Julho – decretado hino oficial da Bahia, uma multidão aplaudiu a chegada das imagens do caboclo e da cabocla na Praça Dois de Julho, no Campo Grande. No local, está um monumento de 25 metros de altura com todos os símbolos que marcaram a conquista da liberdade baiana.

O hasteamento das três bandeiras (Brasil, Bahia e Salvador) pelas autoridades, entre elas, o governador Jaques Wagner, e o acendimento da pira realizado pelo atleta de tiro do Exército, major Iosef Áreas Forma, encerraram a programação.

Com informações da SECOM

“Ser ouvidor é ser sensível ao cidadão”, diz ouvidor-geral

“Ser ouvidor é ser sensível ao cidadão”. A declaração é do ouvidor-geral do Estado da Bahia e presidente da Associação Nacional de Ouvidores Públicos (ANOP), Jones Carvalho, durante o Seminário “O papel da Ouvidoria Pública na consolidação da Democracia Participativa”, organizado pela ANOP, em Brasília.

O presidente da ANOP argumentou que a ouvidoria não é apenas um canal de interlocução, mas sim, um instrumento de gestão, pois “a partir do diálogo com o cidadão são obtidos indicadores da qualidade da prestação de serviço público e atuação do Estado”. Segundo Carvalho, as Ouvidorias precisam elaborar dois tipos de relatórios: um para a ouvidoria (principais demandas) e outro de orientação para gestão (identificando pontos fortes e fracos e detalhar ao máximo os registros).

Em sua fala, Carvalho apresentou ainda a experiência do Governo do Estado da Bahia em Ouvidoria, com os projetos da Ouvidoria Itinerante, que percorre cerca de 200 municípios por mês em parceria com o SAC Móvel, a parceria com a SECTI para capacitar os monitores dos Centros Digitais de Cidadania (CDC) para atuarem como agentes monitores da Ouvidoria.  Na opinião do ouvidor-geral do Estado da Bahia é preciso democratizar o acesso à gestão e interiorizar o serviço de ouvidoria. “A Ouvidoria deve estar onde o povo está”, finaliza.

Seminário
Cerca de 130 ouvidores, de nove estados, participaram do Seminário “O papel da Ouvidoria Pública na consolidação da Democracia Participativa”, organizado pela Associação Nacional de Ouvidores Públicos (ANOP), nos dias 11 e 12 de abril, no Hotel Nacional, em Brasília.

O Seminário debateu a relação das Ouvidorias Públicas com a Democracia Participativa, a Lei de Acesso à Informação, estratégias de fortalecimento das Ouvidorias Públicas. Além disso, foi discutido também o papel das Ouvidorias no fortalecimento das políticas públicas e a ouvidoria como instrumento de gestão.

Ouvidores da Bahia participaram do Seminário da ANOP

Delegação da Bahia
Uma equipe de 16 servidores de Ouvidorias Públicas do Estado da Bahia participaram do Seminário da ANOP. Do Governo do Estado participaram as ouvidorias da SJCDH, SEAP, SUCAB, AGERBA, Bahiagás, SEDIR, SEC, EBDA, ADAB, além da Ouvidoria Geral do Estado. Também integraram a delegação baiana as ouvidorias do Tribunal de Justiça do Estado da Bahia, da Câmara Municipal de Vitória da Conquista e da Secretaria Municipal de Saúde de Vitória da Conquista.

Confira mais informações sobre o Seminário no site da ANOP